Dicas de como não pirar sendo um produtor de conteúdo


Hello, people!
Recentemente vi uma bookstagramer chorando nos stories porque estava se sentindo estafada por causa do trabalho com o Insta e o site que tinha, e isso me fez parar e refletir sobre o assunto, e passa longe de ser a primeira vez que faço isso pelo mesmo motivo. Produzir conteúdo pode cansar, sim!

Com alguns anos de blog, eu cheguei ao ponto de ter cinco parcerias simultâneas, e sei como é sentir-se estafada com elas. Quando você acaba de ler um livro e ainda tem uma pilha com dez te esperando. Começa a dar aquela sensação de que não vai conseguir, e isso gera crises de ansiedade preocupantes. Tive algumas por causa disso e precisei ser afastada da internet por semanas, e até meses. 

Estou nesse ramo há oito anos. Tive muitos momentos de estafa até começar a compreender que isso aqui é só um hobby. Amo e vejo com seriedade, porque estou produzindo conteúdo para vocês, mas ainda é um hobby. Mesmo que fosse um trabalho, eu precisaria aprender a usufruir do meu tempo livre para desligar disso aqui, coisa que não consigo facilmente. 

Dani Noce e o Paulo Cuenco andam fazendo uns videos pelos stories com dicas para quem produz conteúdo para a internet. Em um desses vídeos eu fiquei assustada quando ela disse que passava doze horas por dia trabalhando. Se a pessoa dorme em média oito, e trabalha doze, sobram quatro para fazer qualquer outra coisa. Será pouco? 

Meu marido recentemente me disse que eu era hiperativa. Que se ficasse muito tempo sem fazer nada, começava a pirar. Vi que era pura verdade quando ele me pediu para testar e eu analisei o tempo que passava me dedicando ao Instagram, ao canal e ao blog, e como ficava nervosa quando não estava em movimento. Seja para minhas mídias sociais ou apenas sendo mãe. Se parar, começa a dar falta de ar. 

Daí fiquei pensando se com esses grandes produtores a coisa também não funciona desse modo. Se eles não começam a sentir angústia quando param, e por isso trabalham doze horas por dia produzindo conteúdo para os outros. Vou te dizer, essa profissão não é fácil. Você abdica de muito tempo com a família, por exemplo, então se faz necessário pesar até onde você quer chegar e o que aceita perder no caminho. Ou precisa arranjar pessoas que trabalhem no mesmo ramo que você, para que possam entender suas ausências frequentes. 

Uma pessoa muito sábia me disse uma vez que quando sua vida profissional começa a engatar, é porque a pessoal está indo para o ralo. Não sei se ele ouviu isso em O Diabo Veste Prada, que tem uma fala bem semelhantes, mas o fato é que esse discurso me marcou. Tanto que toda vez que meus filhos exigem atenção ou que o marido briga comigo pelo tempo que me dedico a isso aqui, eu lembro da frase e paro, refletindo o que é importante para mim. 

Sendo bem sincera com vocês? Eu fui mãe por acaso do destino, porque logicamente eu nasci para isso aqui. É o momento mais completo do meu dia, quando estou me dedicando a produzir material para vocês e escrevendo meus livros. Mas acaso ou não, sou mãe, e preciso fazer isso direito porque amo meus filhos acima de qualquer coisa, e quero que eles me amem do mesmo jeito, não lembrando de mim como uma mãe completamente ausente porque hora estava trabalhando fora, hora trabalhando em casa. 

Pensando nisso tudo, criei uma lista de regras a seguir, para não deixar ninguém na mão. Nem minha família, porque eles precisam de mim e eu deles quando fecho o computador, e nem minha realização pessoal. Jamais poderia ser feliz sem me sentir profissionalmente realizada. 

Abaixo segue alguns critérios que adotei para minha vida, e espero que ajudem vocês também. 


  • Ter uma agenda, sempre! Se programar e anotar coisas básicas, como o tempo que vai passar se dedicando a isso aqui por dia, e cumprir de fato. Ajuda a concentrar e passar melhores momentos fora da tela, sem pensar que está deixando trabalho acumulado. 

  • Determinar um dia na semana para produzir o conteúdo para a semana inteira. Isso já me tirou de vários problemas de não ter material quando preciso dele. Hoje mesmo tirei o dia para fazer todas as postagens da semana do site, amanhã será algumas horas da tarde para produzir todas as fotos do Instagram e na quarta os vídeos para o mês inteiro. Dessa forma fico com o resto da semana mais livre, me preocupando apenas em divulgar nas redes sociais, coisa que faço em minutos. 

  • Ter um tempo para você mesmo, e aqui digo sem interferência externa. Para ler um bom livro, dançar sozinha ouvindo uma música gostosa ou colocar o tapete no jardim e ficar olhando os formatos das nuvens. Ter um tempo para você ajuda a colocar as ideias no lugar

  • Aproveitar o tempo com sua família. Eu sou bem relapsa quanto a isso, mas me esforço muito para estar com meus filhos como posso. Gostaria de proporcionar muitos momentos na rua com eles, com passeios diferentes e culturais, por exemplo. Mas moro em uma cidade que não colabora, e meu bolso também não ajuda muito. Então faço o que posso com os recursos que tenho. Acho que me saiu bem.

  • Sair com amigos e namorado. Se sou relapsa no quesito acima, aqui sou uma porcaria! Eu e o boy aqui de casa não saímos nem para comprar pão juntos, para não ter que deixar a pequena com a avó, que já vive cansada. E minhas amigas, nem sei a ultima vez que vi. Quando estavam solteiras, e isso tem um baita tempo! Internet é bom, mas acomoda as pessoas, que acabam se afastando aos poucos.

  • E por fim, não ter peso na consciência pela ausência planejada e saber pedir ajuda quando acha que não está conseguindo lidar com sua rotina. Eu tomei remédio por anos, e ainda tomo quando estou em crise. Sei que tem momentos que sozinha não consigo. Abrir mão e deixar de lado as vezes não é maléfico. Aprenda a tocar o foda-se quando for preciso e peça ajuda se necessitar. 
E é isso ai, pessoal!
Alguém vez já sentiu-se estafado por esse trabalho? Ou recebeu cobranças dos amigos e familiares? Quero saber a opinião de vocês sobre o assunto. Passa lá no meu Insta para a gente conversar! 

Instagram: @caroltelesbispo

Veja também: